segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Gerais



122 de 5068 09/Out/2008 23:19 0
1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007
"marsanto, obrigado. P/L negativo refere-se a uma empresa que apresentou prejuízo acumulado nos últimos 12 meses. Via de regra não é uma boa opção, salvo se decorrente de reestruturações que podem reverter lucratividade futura. Para saber a procedência dos dividendos é necessário verificar duas coisas: primeiro, se o valor total distribuído é inferior ao lucro líquido, significando que não há diminuição do capital social de um exercício para outro (melhor cenário); segundo, se não é decorrente de um episódio não recorrente, como a venda de um negócio ou um terreno da empresa que gera lucros. Mas só ocorrerá uma vez e portanto o investidor não deve se basear nisto para sua decisão de investimento de forma isolada. No capítulo três falo sobre os balanços. Se ficarem dúvidas, é só perguntar."


"danieljoseaa, excelentes opções. O mercado anda totalmente emocional e você já está com boas possibilidades de aproveitar e escolher as grandes ações na relação preço x valor. Não se esqueça de usar bem a estratégia do quinto capítulo, entrando aos poucos, dividindo bem o capital entre as ótimas ações com belíssimas possibilidades de retorno. Guarde um pouco do capital para os balanços do terceiro trimestre. Vai surgir cada oportunidade que só aparece em crises e para quem se precaveu deixando o capital separado para aproveitar uma das maiores chances desta década. O momento nem exige muito correr os riscos das turnarounds, pois tem várias ações com ótimos fundamentos com preços inferiores aos possíveis turnarounds de acordo com as cotações destes ativos no ano passado."

365 de 5068 Modificado em 15/Nov/2008 14:33 0
1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007
"marsanto, este é um dos caminhos para iniciar a pesquisa, analisando as empresas em que o patrimônio líquido é superior ao valor de mercado atual. E isto deve ser analisado conforme cito no tópico P/VPA (capítulo 2) e a influência que o ROE (retorno sobre o patrimônio líquido) tem nesta atratividade também."
"Mas as grandes pechinchas a que Graham quis dizer são aquelas em que só se considera o ativo circulante. No ativo circulante não entram os ativos imobilizados como, por exemplo, instalações industriais, terrenos, edificações, etc... Ele é composto por dinheiro, aplicações financeiras e estoque que pode ser vendido ( e portanto transformado em $$$$) em até 1 ano. Deste total, são subtraídas todas as dívidas (com bancos, fornecedores, impostos, funcionários, etc...) da empresa, seja de curto ou de longo prazo. Achando empresas que valem menos do que isto, você estará levando de graça a sua atividade, as instalações industriais, terrenos, etc... Se junto disso, ainda for encontrado empresas que tem boa lucratividade, pagam bons dividendos, etc... é um bom caminho para o enriquecimento de forma racional, sistemática, bom risco baixo."
"Estas são difíceis de serem localizadas em mercado eufóricos, mas nas crises elas vão pintando uma a uma. Quanto maior o pessimismo vigente, maior será a qantidade de ações de empresas que estarão nesta situação. É por isso que, para pessoas com horizonte de longo prazo, as crises são essenciais e bem vindas. São atalhos para a compra de pechinchas que garantirão lucros altos no futuro. Tudo deve ser feito com método e sabedoria, aproveitando cada momento da insanidade de um mercado emocional."

377 de 5068 Modificado em 17/Nov/2008 00:51 0
1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007
"marsanto, grato pelas considerações."
"É regra da Contabilidade o Ativo Total ser igual ao Passivo Total. O passivo total é também integrado pelo patrimônio líquido. Ou seja, o dinheiro que os acionistas colocaram na empresa mais os lucros (ou prejuízos) acumulados e não distribuídos."
"Assim, o passivo a ser considerado na subtração do ativo circulante é resultado da soma do passivo circulante mais o passivo não circulante. Ou simplesmente, diminua do passivo total o patrimônio líquido, que é também conhecido como passivo não exigível, uma vez que não tem data de vencimento, pois é, como já dito, o capital que pertence aos sócios."
"Assim, passivo total - patrimônio líquido = passivo circulante + passivo não circulante."
Na fórmula para encontrar as ações que merecem uma análise por se traduzirem uma grande barganha temos:
ativo circulante - (passivo circulante + passivo não circulante)
"Caso este resultado seja superior ao valor de mercado, vc estará levando o ativo realizavel a longo prazo (o que a empresa transforma em $$$$ após 1 ano e vai para o caixa) e o imobilizado de graça. Ou seja, não pagaria nada pelo negócio, uma vez que o que pode ser transformado em capital ou o próprio dinheiro em caixa é superior ao valor da empresa."
"Prosseguindo na análise, é importante verificar como anda a rentabilidade empresarial, a perspectiva e os indcadores fundamentalistas. Estando tudo em ordem, esta-se de diante de uma grande oportunidade."

645 de 5068 14/Dez/2008 22:00 0
1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007
"citação: eurico22Oi, Small!"
"Minha pergunta é a seguinte: os indicadores de Sati3 e Dura4 realmente parecem estar ficando muito bons, mas o endividamento das duas não é baixo. Isso não preocupa?"
"É uma dúvida parecida que eu tenho em Rent3: parece uma ótima empresa com um ótimo futuro. Preço me parece muito bom na casa dos 5,xx(baixo), onde esteve recentemente, mas a empresa tem endividamento muito grande, parece que até vendeu uma frota recentemente para gerar caixa."
"Situação diferente da da FFTL4, que em torno de 9,00 me pareceu estar num preço muito bom, já que não possui individamente e o setor não deve se retrair muito, ao menos é o que comentam aqui no interior."
Abs!!
"Obs: pra quem ainda não adquiriu o livro do Anderson, não perca mais tempo. Não é nem um compra, é um investimento - dá pra colocar no Ativo Diferido da sua contabilidade pessoal... - )"
"Eurico22, obrigado!"
"Sua pergunta é bastante pertinente. Quando as empresas tem dívidas, é interessante analisar a origem delas, o custo, o prazo de vencimento e a liquidez corrente da companhia, além da rentabilidade patrimonial."
"a) Se a dívida tiver sido realizada para novos investimentos e a empresa apresenta boa rentabilidade patrimonial, é válida. Indica que os lucros futuros poderão ser maiores e não que as dívidas são decorrentes de prejuízos acumulados;"
"b) Tem dívidas que podem ser consideradas ""boas"". São aquelas com juros subsidiados, como os oriundos de empréstimos do BNDES. Nas notas explicativas que acompanham os balanços, as empresas colocam como a dívida é composta e o prazo de vencimento. Dívida reajustadas pela TJLP e pela TR costumam ser as mais baratas;"
"c) o prazo de vencimento também é importante, juntamente com os recursos em caixa, pois indica eventual dificuldade de acessar o mercado de dívida num momento complicado como o atual. Não é o caso de ambas, que possuem folgada liquidez corrente, superior a 1. Ou seja, recursos em caixa mais recebíveis e estoque que vira $$$ em menos de um ano é superior às obrigações que vencem em menos de 1 ano."
"d) por fim, o melhor é considerar a dívida líquida, subtraída dos recursos de caixa para considerar o tamanho da mesma."
"Abraços,"

853 de 5068 10/Jan/2009 16:46 0
4 opportunity2 Usuário Premium Comentários: 4296 - Desde: Nov 2007
"Small estou lendo Valuation de Alexandre Póvoa como complemento ao seu livro, pois conhecimento nunca têm fim. rs"
"Ele cita na página 289, múltiplo baixo não é sinônimo de ação barata, da mesma forma que múltiplo alto não deve sugerir, necessariamente recomendação de venda."
"Outro fato interessante que ele fala é que não existem números mágicos como vimos por aí filtros que foram criados para peneirar pechinchas, cada empresa é um caso a ser estudado individualmente."
Também achei interessante a explicação na página 253 sobre mva (market value added)
"Mva significa valor de mercado adicionado, é simplesmente a diferença entre o valor de mercado das ações de uma empresa + valor de mercado da dívida em um tempo t - capital total investido"
"Na página 355 ele fala; podemos considerar o mva, considerando uma fotografia em certo momento do tempo, como um medidor de performance acumulada da companhia."
"Em outras palavras: firmas com relação P/VPA superior a 1 podem ser consideradas como agregadoras de valor na fotografia do tempo, enquanto na situação inversa P/VPA menor que 1 verifica-se a destruição de valor ao longo dos anos."
É isso aí.

867 de 5068 11/Jan/2009 19:47 0
1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007
"citação: 72vittorioSmall, tudo bem?"
"Ao ler um trecho de seu livro sobre o PL me deparei com a seguinte dúvida: Vc diz que em cenários com baixas taxas de juros reais o PL custuma ser alto, ""pois os investidores passam a pagar mais ..."" (pag40), certo?"
"Me questiono da seguinte forma: se a taxa de juros é baixa, melhor para os investimentos da empresa e maior será seu lucro (maior fatutramento), certo?"
"Logo, penso que, nesta caso, o indicador teria a probabilidade de ser baixo, pois aumentariam-se as margens da empresa! Não caberia este pensamento tb? Pelo que entendi, o aumento no preço da ação supera o do lucro!"
"OK small, desde já grato sempre pela atenção ... abçs"
"72vittorio, Quando a taxa de juros cai, significa que com um determinado montante de capital, menor remuneração você recebe por ele. No mercado, o que mais incentiva aos investidores fundamentalistas é quanto receberão a título de proventos no decorrer do tempo. Por isso é que há uma correlação entre a taxa de juros e o índice Preço/Lucro. Quando o Preço/Lucro é alto, significa que a empresa pode estar cara, embutindo em seus preços atuais um otimismo exarcebado. O contrário é válido também. Ou seja, quando o P/L é baixo, significa que a empresa pode estar barata, embutindo em seus preços atuais um pessimismo excessivo. É isto que o investidor deve analisar. Se há razão nestes cenários. Por exemplo, o setor bancário chegou a ficar com P/L abaixo de 2! Estavam com P/L acima de 15 durante a fase de euforia. Excesso para um lado antes e depois para o outro."
"Uma forma de estipular o P/L razoável é dividir 1 pela taxa de juros real (descontada a inflação). Assim, de o juros real é 8% (atualmente está um pouco abaixo disso), o P/L passa a ser atrativo se abaixo de 12 (aproximadamente). Mas é claro que há outros fatores a serem analisados, conforme consta no livro no estudo do indicador P/L e na melhor maneira de utilizá-lo."

1674 de 5068 Modificado em 15/Fev/2009 23:23 0
paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007
"citação: higorqOlá pessoal,"
uma pergunta básica: como faço para calcular a taxa de crescimento
Depende do comportamente desta taxa no tempo.
Se esta taxa é CONSTANTE (ou aproximadamente constante) a fórmula é
Q = Qo(1 + t)^n
"Q é a quantidade cuja taxa de crescimento vc quer calcular, no tempo final (T = To + n.deltaT);"
Qo é o valor da quantidade no tempo inicial To
t é a taxa de crescimento
"n é o número de períodos deltaT, entre os tempos inicial e final"
"Uma forma de cálculo simples (por exemplo, no excel) seria"
(1+t)^n = Q/Qo
(1+t) = (Q/Qo)^(1/n)
t = (Q/Qo)^(1/n) - 1
"Outra, usando logaritmos (base e)"
log Q = n.log(1+t) + log Qo
log(1+t) = (log Q - log Qo)/n
1+t = exp[(log Q - log Qo)/n]
t = exp[(log Q - log Qo)/n] - 1
(base 10)
LOG Q = n.LOG(1+t) + LOG Qo
LOG(1+t) = (LOG Q - LOG Qo)/n
1+t = 10^[(LOG Q - LOG Qo)/n]

1694 de 5068 17/Fev/2009 00:43 0
paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007
"Para alguns papéis, o site http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=petr4&x=53&y=17 calcula o crescimento anual médio da Receita Líquida para os últimos 5 anos. Não sei exatamente como este cálculo é feito ..."
"As receitas líquidas da Petrobrás (empresa consolidada), nos últimos anos foram:"
"2002: R$ 69,2 bilhões"
"2003: R$ 95,7 bilhões"
"2004: R$ 111,1 bilhões"
"2005: R$ 136,6 bilhões"
"2006: R$ 158,2 bilhões"
"2007: R$ 170,6 bilhões"
"Pela fórmula que eu informei, com Q = 170,6; Qo = 69,2 e n = 5, calcula-se t = 16,2%"
"Pelo site, o crescimento anual seria de 18,9%. "
1805 de 5068 20/Fev/2009 21:35 0
SEVZF Comentários: 657 - Desde: Jul 2007
Por que uma empresa que apresenta lucro líquido num determinado balanço não aumenta o patrimônio líquido de forma correspondente?
"Pensei que isso tivesse uma relação direta, mas percebi que não ao analisar os resultados de algumas empresas. Teve casos que o patrimônio líquido, ao contrário, diminuiu."

3065 de 5068 27/Mar/2009 13:25 0
paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007
"citação: WK2007Paulo, qual a diferença entre liquidez corrente e liquidez imediata?"
Qual sua análise dos resultados do Minerva?
Desde já agradeço a atenção.
Liquidez imediata??? Não conheço o termo.
"Liquidez Corrente é Ativo Circulante (de curto prazo) dividido pelo Passivo de Curto Prazo. Como a diferença entre o Ativo Circulante e o Pasivo Circulante é o Capital de Giro, para Cap Giro positivo, necessariamente a liquidez corrente tem que ser maior do que 1. Quanto maior a liquidez corrente, mais ""tranqüila"" está a empresa para suportar eventuais crises no curto prazo."
"Os resultados da Minerva vieram horríveis, mas com PSR = 0,06 a empresa já vem sendo negociada a preços de mico. O valor de mercado da empresa é de 27% de seu caixa!!!"
"No sentido ""macro"", evidentemente que as condições da empresa pioraram (queda violenta no patrimônio líquido, aumento da dívida, aumento violento da dívida relagtiva ao patrimÕnio líquido, resultado negativo a perder de vista = dividendos sabe-se lá quando,etc. etc.), mas o seu caixa e a administração da dívida deixam a empresa com bastante fôlego para enfrentar o curto prazo."
"Efetivamente, não há diferença ""fundamentalista"" entre uma de cotação de R$ 1,70 ou R$ 1,50. De qualquer forma é preço de mico."
A questão é: quanto tempo levará para a empresa se recuperar? E se levar 2 anos? Tudo bem deixar um capital empatado durante longo prazo? Ou há coisa melhor para investir no curto prazo e esperar BEEF3 reagir?
"No momento, estou fora ... se chegar a R$ 1,50 vou comprar algumas como souvenir."

3072 de 5068 27/Mar/2009 14:12 0
gustgef Usuário Premium Comentários: 211 - Desde: Mai 2008
A diferença entre liquidez imediata e liquidez corrente é pequena.
"A liquidez corrente é o ativo circulante sobre o passivo circulante como já disse o paulo, entretanto, dentro do ativo circulante são considerados OS ESTOQUES (dinheiro + aplicações financeiras líquidas + estoques). A liquidez imediata desconsidera os estoques sendo então:"
Liquidez Imediata = (Dinheiro + Aplicações financeiras)/Passivo Circulante
"Ou seja, a minerva tem a maioria de seu ativo circulante em ESTOQUES."
Espero ter ajudado.

3153 de 5068 28/Mar/2009 15:20 0
paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007
citação: mille 2paulo sem querer te encher
se puder dar uma aula sobre psr para iniciante em af
agradeço muito
abçs
"Sou leigo no assunto. Espero que Small e cia, corrijam, complementem, critiquem. As idéias serão da forma como virão à cabeça, sem preocupação de ser didático."
PSR = (valor do ativo ou ação) / (receita anual de vendas da empresa / ação)
"Resumindo, o PSR é uma multiplicador que mostra quanto o mercado está disposto a pagar por cada 1 real de vendas da empresa. Um PSR de 1 significa que o mercado está disposto a pagar pelo ativo, 1 real para cada real que a empresa gera em receitas por ativo. Em condições NORMAIS (muito cuidado aqui) e para empresas “semelhantes” (veja abaixo), quanto MENOR o PSR, MAIOR é a probabilidade de ganho com o ativo."
"Assim como não há como comparar objetivamente bananas e laranjas, o PSR não deve ser utilizado para comparar ativos/empresas de:"
a) setores ou sub-setores distintos;
b) estruturas de capital distintas;
c) rentabilidades sobre vendas (margens de lucro) distintas
"Considere, por exemplo, 2 empresas que vendem exatamente o mesmo produto, mesmo volume de vendas, mesmo preço, etc. Suponha que a empresa A não tenha dívidas e a empresa B tenha dívidas consideráveis. Este é o caso b). A estrutura de capital é distinta. Como a empresa B tem dívidas, parte da receita das vendas vai ter que remunerar o capital de terceiros na forma de juros. Isto necessariamente vai impactar na rentabilidade ou margens. Em termos de PSA, o da empresa A tem que ser MENOR. Se fosse igual ou maior, o mercado estaria fazendo uma leitura errada, ou seja, o ativo A estaria caro e não seria um bom investimento."
"Como no numerador está o ATIVO (papel) e no numerador está a EMPRESA, o PSR apresenta “inconsistências”. Há quem prefira, em conseqüência, um índice alternativo que é a razão entre o valor da empresa (EV = enterprise value) dividido pela receita anual de vendas da empresa (com a empresa tanto no numerador quanto no denominador, este indicador é consistente). O exemplo acima de empresa com dívida estaria retratado."
"Empresas de setores distintos, tem rentabilidade distinta. Por exemplo, não dá para colocar a Vale e Gafisa no mesmo saco. Enquanto que a primeira tem margem líquida no entorno de 30%, a segunda não chega a 10%. O PSR da VALE5, portanto, necessariamente tem que ser muito maior do que o PSR da GFSA3. Típicamente e em sigtuações normais (não de crise ou baixa cíclica), todos os ativos de empresas que apresentam altas margens, devem ser maiores do que 1."
"Idealmente, o PSR pode ser usado para avaliar uma empresa em relação a seu passado (é necessário ter os dados históricos do PSR). Quando o PSR hoje for menor do que a média histórica é alta a probablilidade de ganho com o ativo. Evidentemente, outros fatores têm que ser levados em consideração, especialmente o endividamento – a menos que se use a definição alternativa acima e as margens)."
"Pode, também, ser usado para avaliar empresas de um mesmo setor ou sub-setor. Mais uma vez, nunca isoladamente, e sempre considerando com cuidado o endividamento e margens."
O PSR funciona melhor quando aplicado a ativos de empresas large caps e em setores onde as vendas são concentradas em produtos. Funciona pior em setores de serviços.
"Por exemplo, pegue o setor dos bancos e/ou seguros. A receita é proveniente da venda de serviços (empréstimos, seguros, serviços bancários, etc). A rentabilidade dos diferentes “serviços” não é a mesma. Portanto o PSR não poderá ser um bom multiplo para comparação entre bancos com estruturas de produtos completamente distintos, por exemplo, entre um BRIV e um BBAS."
"Mas a situação onde o PSR pode ser especialmente útil, é quando se compara empresas novas, que ainda não produzem lucro ou empresas que atuam em setores cíclicos, que podem estar passando por um período de prejuízos. Neste casos, o P/L (preço / lucro/ação) não tem sentido (é negativo). A evolução da empresa pode ser avaliada monitorando-se o P/VPA, PSR e as margens."
"Há que se tomar cuidado. Um PSR muito baixo é condição NECESSÁRIA para que um ativo seja candidato a turnaround. Mas não é suficiente. Se não há condições para que uma empresa seja rentável no futuro, de nada adianta um PSR baixo. Praticamente todas as empresas que faliram passaram, antes da falência, por um período de baixíssimo PSR. O preço do ativo é baixo porque é impactado pelo risco de falência, mas a empresa continua vendendo um volume aproximadamente igual ao usual ou até superior (eventualmente com grandes descontos e perda volenta de margem)."
"Empresas como a FHER, YARA, BEEF, ARCZ, etc., necessariamente têm que apresentar PSR baixíssimos, pois o risco de falência não é desprezível. Se conseguirem sobreviver, engrossarão aquelas estatísticas que confirmam ser um PSR abaixo de 1, acoplado com uma alta força relativa do ativo nos últimos 12 meses, um dos melhores critérios para investimento."

3881 de 5069 09/Abr/2009 09:38 0
Capa_Preta Comentários: 729 - Desde: Dez 2008
"citação: fabiopintoOk Sérgio, obrigado pela sua orientaçao. Entendi quanto a procura de bons DY, mas vc acha que esse aumento das últimas semanas do IBOV é real? ou seja é a hora de entrar ? ou vale a pena aguardar uma possivel queda após a realizaçao de lucro dos especuladores? Entro agora ? ou para quem já está e recebeu seu salario de inicio de mês, deveria comprar mais agora ? ou aguardar uma possivel melhora de preço ? vejamos ´por ex o caso do BICB4, PINE4 EXCELENTES dicas do SMALL, mas eu só soube da análise dele (infelizmente) agora, depois de terminar o livro. Vale a pena comprar agora? mesmo com os preços que já subiram muito, ou deverá cair um pouco ? o que voces acham ?"
Desde já agradeço...
"Fabio, não me entenda mal mas eu noto certa insegurança nas suas palavras. Por si so isso não é um problema mas aumenta o seu risco de fazer besteiras na bolsa."
Se você pensa em seguir uma estratégia fundamentalista tenha em mente 2 coisas.
"1 - Se ao preço X o papel apresenta bons indicadores/perspectivas e está abaixo do seu valor você pode começar a comprar e continuar até que ele chegue num valor X-1. Ou seja, se o ""valor"" é alto e o preço é baixo já dá pra COMEÇAR a entrar."
"2 - Investimentos dessa forma tem prazos mais longos (e indefinidos) logo os movimentos de curto prazo não devem ter grande impacto no resultado. Atenção, essa é mais ou menos a cartilha mas eu questiono esse ponto."
Só você pode decidir a hora de começar a comprar. Deve estar tranquilo e seguro para fazê-lo e melhor se não o fizer todo de uma vez... vá aos poucos como a galinha que enche o papo de grão em grão.

4688 de 5069 24/Abr/2009 20:45 0
ACPOLIVEIRA Comentários: 16 - Desde: Jan 2009
"citação: paulorizzicitação: ACPOLIVEIRAPaulo, em um post anterior onde me respondeste sobre HGTX3 usaste uma fórmula de P/L*P/VPA. Que valores tu usas nestes casos para achar uma ação barata? sem considerar outros fatores."
"Aproveitando gostaria de saber o que tu pensas sobre WEGE3, que parece estar reagindo um pouco nos últimos dias?"
Abço
"Qualquer indicador é melhor utilizado para comparar ativos semelhantes, preferencialmente num mesmo setor. Entre setores distintos podem haver diferenças fundamentais que impeçam que se faça uma comparação direta. Por exemplo, o ROE (rentabilidade sobre o patrimônio líquido) médio do setor bancário deve estar por volta de 20%, enquanto aquele do setor de distribuição de energia elétrica deve estar por volta de 30%. Em conseqüência, na média, não seria de estranhar se o P/VPA de empresas elétricas for maior do que o de bancos."
"O inverso do P/L fornece uma medida da rentabilidade do investimento. Por exemplo, um P/L anualizado de 8, significa que, no ano, um investimento no ativo renderia 12,5%. Se este rendimento vai todo para o bolso na forma de proventos ou parte dele é canalizado para aumentar o Patrimônio Líquido é apenas um detalhe. O fato é que, em princípio, se é para ter um rendimento menor do que 12,5% (e não necessariamente diretamente para o bolso), eu prefiro a segurança da renda fixa. Ativos com P/L acima de 8, então, são caros por princípio, independentemente do setor. No que tange o P/VPA, eu coloco um limite de 1,5. Aqui também, independentemente do setor, um ativo com V/VPA acima de 1,5 seria intrinsicamente caro."
"Para poder acomodar situações de ativos que ""violam"" um dos critérios mas que apresentam ""folga"" no outro, eu uso o produto e considero um ativo caro se (P/L)x(P/VPA) > 12."
"Para eu comprar (ou manter em carteira) um ativo que viola o critério acima, tem que haver um muito bom motivo. Por outro lado, ativos com valores muito baixos de (P/L)x(P/VPA) só não compõem a minha carteira se também houver um muito bom motivo."
"Atualmente, em minha carteira, os extremos são:"
"INEP4 (0,74); ECPR4 (1,14); FESA4 (1,20) e SGAS4 (1,29)"
"LREN3 (45,21); MGEL4 (31,08) e TLPP3 (15,93)"
"LREN3 está em minha carteira mais como especuleta, como diz o Capa :-) De qualquer forma, é uma das empresas que mais cresce no seu setor e o seu status de quase ""blue chip"" faz com que tenha comportamento previsível em dias como hoje. Comprei a R$ 18,00 e vendi a R$ 19,00 (só não fiz o vídeo para propagandear ""um lindo day trade""). MGEL4 está como turnaround. O número é alto porque o resultado líquido de 2008 quase foi negativo. TLPP3 já está na carteira há tempos ... acho que está chegando a hora de ser ""rifada""."

5608 de 580213/Mai/2009 22:58 [Citar este comentário] 0
[Nível 0] small caps Usuário PremiumComentários: 2833 - Desde: Fev 2007
citação: Kings of LeonSmall sobre o indicador Enterprise value/Ebit(EV/EBIT), qual o seu principal uso? Em vários relatórios que li os gestores empregam este indicador.Existem empresas que estão negociando em torno de 3, o que parece excelente no meio desta crise.
Abs
Kings of Leon, é muito parecido com o P/EBIT que menciono no livro. A diferença é que Enterprise Value é igual o valor de mercado da empresa somado à sua dívida líquida (ou reduzido do caixa líquido). Traz uma boa noção de quando se paga pela empresa em razão dos resultados operacionais.

6444 de 648601/Jun/2009 22:35 0 small caps Comentários: 2857 - Desde: Fev 2007
impossível saber o que será do amanhã e fazendo as faixas percentuais, deixa-se de fazer futurologia e apenas se aproveita as quedas para comprar boas ações, com bons fundamentos e as altas para vender aquelas que já esticaram demais.
Atualmente, empresas lucrativas abaixo do VPA nem me preocupo. Estão baratas. Empresas que pagam bons dividendos > 8% atualmente e tem nítida possibilidade de mantê-los, também encarteiro sem medo.
Há pouco postei quais são minhas maiores investidas.

8116 de 812302/Jul/2009 01:15 0 small caps Comentários: 2899 - Desde: Fev 2007
citação: InvestydorSaudações a todos.
Estou começando a estudar análise fundamentalista (já opero no mercado há 3 anos basicamente com análise técnica) e fiquei com dúvidas quanto a forma de analisar uma empresa dado a quantidade de empresas no mercado.
Por exemplo estive analisando a Ferbasa. Os indicadores parecem bons a princípio e talvez até sejam mesmo, porém o lucro desse ano deverá ser significativamente menor que no ano passado o que irá afetar diretamente os dividendos (os 10% do ano passado não devem ser repetir considerando a cotação atual). A empresa ainda está trabalhando abaixo da sua capacidade produtiva, o que mostra que o mercado ainda não deu sinais de melhora concreta.
No auge do otimismo, com a receita crescendo rapidamente ela chegou a R$ 16,00 (como o mercado exagera na expectativa podemos achar que R$ 16,00 previa outros anos de bonança pela frente). Será que R$ 8,00 já não é um preço justo?
Gostaria de saber até que profundidade vocês analisam uma empresa. Eu trabalho e a bolsa é apenas um complemento, não tenho muito tempo para me dedicar a análises, e são muitas as ações na bovespa..........
Ahhh...estou lendo o livro do Small..bem interessante..parabéns ao Anderson!
Obrigado.
Investydor, obrigado!
Estes fatores que você colocou são bastante relevantes. É por isso que depois da análise dos indicadores fundamentalistas P/L, P/VPA, PSR, DY. etc... devemos observar no balanço o que afeta a lucratividade positiva ou negativamente.
E então, é acompanhar as notícias econômicas, que permitem antever o futuro dos resultados... No caso da FESA4, as cotações sofrem com a queda das commoditties que a empresa produz. No entanto, o mercado há de eternizar este momento e assim como no momento de otimismo, pode exager no pessimismo...
Quando o balanço evidenciar que se chegou "ao fundo do poço" e que os preços das commodities que produz voltarem a subir, certamente será possível comprar antes que o mercado perceba tais fatos... Mas, como se diz no mercado, não há "drivers" de curto prazo para valorização das ações... Pelo contrário, talvez até o mercado seja "surpreendido" com um resultado pior no 2o. trimestre...

21943 de 21945Modificado em 23/Nov/2009 00:26 0 paulo_profComentários: 944 - Desde: Jul 2009
citação: williamcwAlguém?
citação: williamcwEu nunca vejo vocês comentando sobre o indicador EV/EVBITDA. Gostaria de saber quais são as faixas de valores aceitáveis desse indicador?
Devo confessar que tenho dado relativamente pouca atenção a este indicador. Evidentemente, satisfeitos outros requisitos, quanto menor, melhor. Em princípio, definido meio que arbitrariamente, gostaria que este indicador não fosse maior do que 5. Diversos ativos em minha carteira, entretanto, não atendem a este critério.

23577 de 2359811/Dez/2009 09:50 [Citar este comentário] 1
4 paulo_profComentários: 1066 - Desde: Jul 2009
citação: AssaydProf Paulo / ...
Pra eu entender esta adesão de algumas empresas ao parcelamento de suas dívidas neste programa (ja encerrado) do governo federal Refis Paes Paex...
Qual o impacto nos balanços das empresas? Qual o lançamento que se faz?
Sai de impostos a recolher...
Entra em resultados?
Exigível a longo prazo?
Um abraço
Ps: Excelentes seus comentários, e extremamente enriquecedores / resolvi perguntar.
Há dois tipos de lançamento que se faz:
a) No Balanço Patrimonial
a partir do instante em que a empresa reconhece uma dívida (em impostos) tem que lançar como tal no passivo - tipo, vai aparecer uma linha, tanto no circulante quanto no não circulante, relativa ao Parcelamento;
b) Na Demonstração de Resultados
Não há como aparecer um passivo "novo" no Balanço Patrimonial, sem que tenha haviado a despesa correspondente; no caso, esta normalmente será lançada como outras receitas/despesas operacionais
Boa parte dos impostos federais que foram recentemente parcelados pelas empresas estavam sendo questionados administrativa ou judicialmente. Em conseqüência, dependendo das probabilidades de ganho de causa, as empresas efetuaram um maior ou menor (inclusive nulo) provisionamento. Este provisionamento aparece, também, no passivo.
Ao aderir ao parcelamento, a nova "dívida" é conhecida, perfeitamentre determinada. Se o provisionamento anterior (correspondente aos impostos parcelados) era maior do que a nova dívida, haverá "receita" no 4T09 (caso, por exemplo, da ELPL e outras). Caso contrário, haverá "despesa" no 4T09 (caso, por exemplo, da MGEL e outras).

5) Observe o que se passa na macroeconomia.

Em determinados momentos, empresas de um setor inteiro vão bem e, na sequência, passam a enfrentar sérios problemas. É bom que o investidor saiba que nem sempre isto se deve a uma questão interna de uma companhia, e sim faz parte de uma conjuntura mais ampla. A situação das siderúrgicas ilustra muito bem este fator. Quando a China importava aço do mundo inteiro, o preço do produto estava nas alturas e as margens eram muito relevantes. De repente, a capacidade produtiva do país asiático ficou maior que o seu próprio consumo e, de importadora, passou a inundar o mercado mundial com o aço. Os preços despencaram enquanto os custos de produção permaneciam se elevando, inclusive no Brasil. Quem percebe isto antes pode evitar a realização de investimento em ativos de companhias que deixaram de ser atrativos em virtude de um novo momento macroeconômico.

6) Excesso de confiança costuma ser prejudicial.

Alguns investidores acabam estudando uma companhia e passam a acreditar tanto numa tese, que perdem a capacidade crítica de perceber quando as coisas começam a dar errado, e afundam junto das suas decisões. Ninguém é infalível e montar um método para evitar que um erro possa lhe arruinar as finanças é essencial. Investidores que acreditaram em algumas empresas nos IPO’s, inclusive de companhias pré-operacionais, pagam atualmente caro por terem se concentrado em ativos com total ausência de histórico de resultados. O fato é que a maior parte dos projetos acaba se tornando mais caro do que o previsto e/ou com prazo de execução bem superior ao planejado, fazendo com que os retornos financeiros não se concretizem como estava no papel, que tudo aceita. 

7) Foque nas premissas corretas

Há muitas formas de se estabelecer o que seria o “preço justo” de um ativo. Existem cálculos com inúmeras variáveis que são realizados por investidores com grande conhecimento em ciências exatas. No entanto, não é a capacidade de realizar os cálculos complexos que determinam o sucesso de um investidor. Se assim fosse, uma legião de físicos quânticos estaria multimilionária e o grande trunfo do investidor seriam computadores de última geração. Mas, não é! O que determina os acertos no mercado acionário é a capacidade de estabelecer as premissas adequadas para os seus investimentos. Ou seja, saber definir quais são os mercados que vão se expandir mais do que a previsão dos demais agentes, bem como quais as companhias que saberão melhor tirar proveito da situação.

8) Tenha a capacidade de fazer o contrário da massa.

O investimento em renda variável, para muitos, costuma ser bastante emocional e uma das formas que as pessoas encontram para enfrentar o grande mar de incertezas é se unindo e investindo em ativos conforme o consenso do mercado. É por isso que algumas empresas alcançam preços estratosféricos e outras chegam a preços parecidos com companhias que atingem o estado pré-falimentar. É neste momento que se deve ter coragem de ir contra a correnteza e selecionar os ativos desprezados ou então vender aqueles que estão na euforia de momento. Exemplos clássicos recentes: uma das empresas que mais rentabilizou recentemente foi a Cielo, depois de toda a tempestade que se formou após a abertura da concorrência, momento em que o pessimismo imperou com suas mais trágicas previsões; No lado contrário, basta pensar na febre que são alguns lançamentos de ações de companhias que saíram tão caras no lançamento que nunca mais atingiram estes preços.

9) Não tenha medo do lucro

Um dos erros mais comuns dos investidores é se contentar com uma alta modesta quando sua escolha de ações é correta e permanecer com aquelas que estão caindo apenas para não “realizarem o prejuízo”, como se os preços por si só fossem suficientes para justificar as decisões de compra e de venda. Muitas vezes a retomada da alta das ações pode ser apenas o início de um longo período de subida que costuma ocorrer quando a cotação de empresas em que imperavam o pessimismo passa aos poucos a refletir um pouco de otimismo, e até mesmo o excesso dele. O lucro inicial decorrente da valorização acionária parece queimar as mãos de alguns investidores que sentem uma necessidade insaciável de logo se desfazer do ativo. São estes investidores também que tem uma enorme capacidade de manter algumas ações por longos períodos apenas porque elas se desvalorizaram. Os maiores vencedores no mercado acionário se concentram nos grandes acertos e sabem aproveitar bem as altas decorrentes das boas decisões. Eles não têm medo de lucrar o quanto for necessário.

10) Não basta ser bom, tem que estar barato

O investidor deve fazer o dever de casa: analisar bem a alternativa escolhida, observar como é o histórico de resultados, quais são as margens e as perspectivas futuras. É importante visualizar ainda se o cenário que permitiu bons resultados vai permanecer. Todo este cuidado, no entanto, não basta se você encontrar uma empresa que já embute no preço toda a sua competência e anos a frente de bons resultados. O que impulsiona as cotações no longo prazo de uma companhia é a diferença entre as expectativas já precificadas e aquelas que de fato ocorrem. É neste campo que deve se concentrar a escolha dos melhores investimentos. Ou seja, encontrar uma boa companhia, com um bom preço, o que permitirá a colheita de bons lucros futuros, a medida que o mercado perceba o que você visualizou antes.

Dúvidas dos Foruns do Small Caps

Ações Boas pagadoras de dividendos
Ações de baixa liquidez
After Market
Análise Fundamentalista X Análise Técnica
Aplicações
Aplicação em Small Caps
Daytrade
Diversificação Setorial
Previdência Privada
Provisão de Devedores Duvidosos
PSR
Qual a melhor forma investir na bolsa?
Qual o valor mínimo para começar a investir?
Recomendações
Recompra de Ações
Retirada de Custódia
ROE
Sistemas
Subscrição e Bonificação
Stop
Vencimento de Opções
Venda a Descoberto
Vender com prejuízos
Vender para abater IR ou fazer Preço M
VGV = Valor Geral Vendido
Volume de uma ação
Como minimizar pagamentos de Imposto de Renda



Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps


ABC Brasil (ABCB) Abyara (ABYA) Aços ALtona (EALT)
Aços Vilares (AVIL) Aes Tiete (GETI) Afluente (AFLU)
Agrenco (AGEN) Alfa Financa (CRIV) Alfa Invest (BRIV)
All (ALLL) Alpagartas (ALPA) Ambev (AMBV)
Aracruz (ARCZ) Amazônia (BAZA)
B2W (BTOW) Bahema (BAHI) Banco do Brasil (BBAS)
Banco Indusval (INDL) Banestes (BEES) Battistela (BTLL)
Bardella (BDLL) Barinsul (BRSR) Baumer (BALM)
Bematech (BEMA) Besc (BSCT) BicBanc0 (BICB)
BMFBovespa (BVMF) Brascan Res (BISA) Braskem (BRKM)
Brasmotor (BMTO) BR Brokers (BBRK) BR Malls (BRML)
Bradesco (BBDC) Bradespar (BRAP) BRF (PRGA)
Brookfield (BISA)

Banese (BGIP)
BRB Banco (BSLI)

Brasil Telec (BRTO)
Bombril (BOBR)
Cacique (CIQU) Cambuci (CAMB) CC Des Imob (CCIM)
CCR Rodovias (CCRO) Ceb (CEBR) Cedro (CEDO)
Celesc (CLSC) Celpe (CEPE) Cemig (CMIG)
Cesp (CESP) Chiarelli (CCHI) Cia Hering (HGTX)
Clarion (CLAN)
Coelce (COCE)
Cobrasma (CBMA)
Company (CPNY) Comgás (CGAS) Confab (CNFB)
Contax (CTAX) Copasa (CSMG) Copel (CPLE)
Coteminas (CTNM) Cosan (CSAN) CPFL Energia (CPFE)
CR2 (CRDE) Cremer (CREM) Cyre ON (CCPR)
Cyrela (CYRE)


Cruzeiro do Sul (CRCZ)
CSN (CSNA)


Cetip (CTIP)

CSU Cardsyston (CARD)

Cemar (CMGR)
Daycoval (DAYC) Dimed (PNVL) (Panvel) Dixie Toga(DXTG)
Doc Imbituba (IMBI)

Duratex (DTEX)
Drogasil (DROG) Dufray (DUFB)


Ecodiesel (ECOD) Elekeiroz (ELEK) Elektro (EKTR)
Eletrobras (ELET) Eletropaulo (ELPL) Emae (EMAE)
Embraer (EMBR) Encorpar (ECPR) Energia do Brasil (ENBR)
Energisa (ENGI) Equatorial (EQTL) Estrela (ESTR)
Eternit (ETER) Excelsior (BAUH) Eucatex (EUCA)
Even (EVEN) Eztec (EZTC)
Ferbasa (FESA) Fer Heringer (FHER) Fibam (FBMC)
Forja Taurus (FJTA) Fosfertil (FFTL) Fras Le (FRAS)



Gafisa (GFSA) Gazola (GASO) General Shopping (GSHP)
Gerdau - GGBR Globex (GLOB) Gol (GOLL)
Gp

Investimentos (GPIV)
GPC Part (GPCP) Gradiente (IGBR)
Grazziotin (CGRA) Grendene (GRND) Guarani (ACGU)
Guararapes (GUAR)

Habitasul (HBTS) Haga (HAGA) Helbor (HBOR)
Hercules (HETA) Hotéis Othon (HOOT) Hypermarcas (HYPE)
Ideiasnet (IDNT)
Ienergia (IENG) Iguaçu Café (IGUA)
Iguatemi (IGTA) INDS Romi (ROMI) Inepar (INEP)
Inpar (INPR) Investur (IVTT) Iochpe-Maxion (MYPK)
ItauUnibanco (ITUB)

Irani Cel (RANI)
Itaúsa (ITSA) Itautec (ITEC)


JB Duarte (JBDU) JBS (JBSS) Jereissati (MLFT)
JHSF Part (JHSF) Josapar (JOPA)
Klabin Segall (KSSA)

Klabin (KLBN)
Kepler Weber (KEPL)

Karsten (CTKA)
Kroton (KROT)
Laep (MILK) Le Lis Blanc (LLIS) Light (LIGT)
LLX (LLXL) Localiza (RENT) Log-in (LOGN)
Lojas Americanas (LAME) Lojas Renner (LREN) Lupatech (LUPA)
Magnesita (MAGG) Mangels INDL (MGEL) Marcopolo (POMO)
Marisa (MARI) Marisol (MRSL) Marfrig (MRFG)
M Dias Branco (MDIA) Medial Saúde (MEDI) Mendes Junior (MEND)
Merc Brasil (BMEB) MetalFrio (FRIO) Metal Leve (LEVE)
Metisa (MTSA) MG Poliest (RHDS) Millenium (TIBR)
Minerva (BEEF) Minupar (MNPR) MMX Miner (MMXM)
Mont Aranha (MOAR)

Mundial (MNDL)
MPX Energia (MPXE)

Mutiplus (MPLU)
MRV (MRVE)

Nadir Figueiredo (NAFG) Natura (NATU)

Net (NETC)
Odontoprev (ODPV)

OHL Brasil (OHLB)

OSX Brasil (OSXB)
Pão de Açúcar (PCAR) Paranapanema (PMAM) Par Al Bahia (PEAB)
Paraná (PRBC) Panamericano (BPNM) Petrobras (PETR)
Pettenati (PTNT) Pine - PINE Plascar (PLAS)
Porto Segur0 (PSSA) Positivo (POSI) Profarma (PFRM)
Providência (PRVI)

PortoBello (PTBL)
Pronor (PNOR) Per Manguinnhos (RPMG)
Randon (RAPT) Recrusul (RCSL) Renar (RNAR)
Renner Part (RNPT) Riosulense (RSUL) Rodobens (RDNI)
Rossi Resid (RSID) Redecard (RDCD)
Sabesp (SBSP) Sanepar (SAPR) Sansuy (SNSY)
Santander (SANB) Santanense (CTSA) São Martinho (SMTO)
Saraiva (SLED) Savarg (VAGV) Schlosser (SCLO)
Seb (SEBB) Shulz (SHUL) SLC Agrícola (SLCE)
Sofisa (SFSA) Spring (SGPS) Sulamerica (SULA)
Sultepa (SULT)

São Carlos (SCAR)
Starup (STRP) Suzano Papel (SUZB)
Tectoy (TOYB) Tegma (TGMA) Tekno (TKNO)
Telebras (TELB)
Telemar (TNLP) Telemar NL (TMAR)
Telemig Part (TMCP)
Telesp (TLPP) Tempo (TEMP)
Tenda (TEND) Terna Part (TRNA) Tractebel (TBLE)
Tran Paulist (TRPL) Trafo (TRFO) Trisul (TRIS)
Triunfo Part (TPIS)

Tarpon (TARP)
Tupy (TUPY) Tivit (TVIT)
Ultrapar (UGPA) Unipar (UNIP) UOL (UOLL)
Usiminas (USIM)

Vale (VALE)

Varig (VAGV)
VCP (VCPA) Visanet (VNET)
Weg (WEGE) Wetzel (MWET)

Wiest (WISA)

Whirlpool (WHRL) WLM Ind Com (SGAS)


Yara Fertilizantes (ILMD)



Setores

Alimentos

Autopeças

Água e Saneamento

Bancário

Bebidas


Construção e Engenharia

Consumo e Comércio


Educacional

Elétrico

Embalagens

Financeiros

Fertilizantes


Holding



Industrial e Comércio



Máquinas e Equip

Madeira

Materiais Diversos

Mineração



Papel e Celulose

Petróleo e Gás


Químico



Rodoviário



Saúde

Siderúrgico

Sulcroalcoleiro

Tecnologia e Informática

Telefonia

Têxtil e Calçados

Transporte





Voltar para: Palpites Ações

Forum do Small Caps

CLASSIFICAÇÃO POR CÓDIGOS

ABCB

ABYA

ACGU

AFLU

AGEN

ALLL

ALPA

AMBV

AVIL




BAHI

BALM

BAUH

BBAS

BBDC

BBRK

BDLL

BEEF

BEES

BEMA

BICB

BISA

BMTO

BPNM

BRAP

BRIV

BRKM

BRML

BRSR

BSCT

BTLL

BTOW

BVMF

BMEB

BGIP

BSLI

BOBR

BAZA

BRTO


CAMB

CBMA

CCHI

CCIM

CCPR

CCRO

CEBR

CEDO

CEPE

CESP

CGAS

CGRA

CIQU

CLAN

CLSC

CMIG

CNFB

COCE

CPFE

CPLE

CPNY

CRDE

CREM

CRIV

CSMG

CSNA

CARD

CTAX

CTIP

CTNM

CTSA

CYRE

CRCZ

CTKA

CIEL

CMGR

DAYC

DROG

DUFB

DTEX

DXTG


ECOD

EALT

ECPR

EKTR

ELEK

ELET

ELPL

EMAE

EMBR

ENBR

ENGI

EQTL

ESTR

ETER

EUCA

EVEN

EZTC


FBMC

FESA

FFTL

FHER

FIBR

FJTA

FRAS

FRIO





GASO

GFSA

GETI

GGBR

GLOB

GOLL

GPIV

GPCP

GRND

GSHP

GUAR


HBTS

HAGA

HBOR

HETA

HGTX

HOOT

HYPE






IDNT

IENG

IGBR

IGTA

IGUA

ILMD

IMBI

IMCH

INDL

INEP

INPR

ITEC

ITUB

ITSA

IVTT




JBDU

JBSS

JHSF

JOPA



KSSA

KEPL

KROT

KLBN



LAME

LEVE

LIGT

LLIS

LLXL

LOGN

LREN

LUPA





MAGG

MARI

MDIA

MEDI

MTIG

MTSA

MGEL

MILK

MLFT

MMXM

MNPR

MOAR

MPXE

MRVE

MNDL

MRFG

MRSL

MWET

MYPK

MEND

MPLU




NAFG

NATU

NETC




ODPV

OHLB

OSXB




PCAR

PEAB

PFRM

PINE

PLAS

PMAM

PNOR

PNVL

POMO

POSI

PRBC

PRGA

PRVI

PSSA

PTNT

PTBL



RANI

RAPT

RCSL

RDCD

RDNI

RENT

RHDS

RPMG

RNAR

RNPT

ROMI

RSID

RSUL

SANB

SAPR

SCLO

SEBB

SBSP

SFSA

SGAS

SGPS

SHUL

SLCE

SLED

SMTO

SNSY

STRP

SULA

SULT

SUZB


TOYB

TBLE

TELB

TNLP

TEMP

TEND

TGMA

TIBR

TKNO

TMAR

TMCP

TLPP

TPIS

TRFO

TRIS

TRNA

TRPL

TUPY

TARP






UGPA

UNIP

UOLL

USIM



VALE

VAGV

VCPA




WEGE

WHRL

WISA





Voltar para: Palpites Ações
[Valid RSS]